Grande Rio Fm

Pintura de Jesus com rosto de Looney Tunes é removida de exposição na Austrália

Pintura de Jesus com rosto de Looney Tunes é removida de exposição na Austrália

Uma pintura causou revolta ao retratar Jesus a caminho do Calvário com um rosto de desenho animado de Looney Tunes. A obra, que estava exposta em Sydney, na Austrália, foi removida após protestos.

Segundo o autor da pintura, que atende pelo nome de “philjames”, seu trabalho é sobre “reimaginar e re-representar a pintura histórica e formas esculturais”.

Um dos críticos da pintura, Michael Coren, da Igreja Anglicana do Canadá e colunista do Toronto Star, diz não ver mérito nesse tipo de arte:

“A arte, dizem eles, está nos olhos de quem vê. Depende de quem eu suponho, mas não vejo nada de mérito, originalidade ou provocação genuína em uma pintura chamada ‘Jesus Fala às Filhas de Jerusalém’, que retrata Jesus no caminho para o Calvário, desfigurado com um rosto de desenho animado Looney Tunes”.

‘Somos amplamente ridicularizados’

Coren, que classificou a pintura como “insultante”, diz ainda que o próprio fato dela ter sido ser exibida “nos diz algo importante sobre a influência das crenças cristãs no Ocidente”.

“Há muitos anos existe uma temporada aberta contra o cristianismo na arte, literatura, televisão, cinema e teatro. Somos amplamente ridicularizados e criticados na cultura popular”, diz.

“Há várias razões para isso, uma delas sendo que as consequências de atacar os cristãos ou o cristianismo são geralmente positivas ou inofensivas. Há prestígio em zombar do que ainda é considerado parte do establishment e, apesar do que alguns possam afirmar, a possibilidade de violência física ou danos à carreira é mínima”.

As afirmações de Coren encontram respaldo em manifestações desse gênero contra o Islã, por exemplo, com os muçulmanos não tolerando qualquer desrespeito as suas crenças religiosas.

“O contraste óbvio aqui é com o Islã”, afirma. “Eu entrevistei Salman Rushdie, autor dos Versos Satânicos, que foi atacado e quase assassinado, [além de] Kurt Westergaard, o cartunista dinamarquês que desenhou a foto de Maomé usando uma bomba em seu turbante, e viveu o resto de sua vida sob proteção policial, e outros que sentiram o golpe da intolerância extremista religiosa. Então, há claramente inconsistência, se não hipocrisia em exibição, além de um certo autocomplacimento”.

‘Ataque à fé cristã’

E continua, declarando que o cristianismo não é inimigo da arte e da criatividade, mas questiona uma “liberdade” de ataque quase que exclusiva à fé cristã:

“As próprias liberdades, a própria abertura, que permite o que parece ser zombaria da fé é um produto do cristianismo preciso que parece tão sitiado. Essa liberdade autêntica nunca existiria em uma sociedade ateísta – testemunha da antiga União Soviética, da China maoísta, da Alemanha Nacional Socialista – ou em vários estados islâmicos. O paradoxo que esses radicais ostensivos não conseguem apreciar é que a licença que eles gostam é uma consequência do que parecem desprezar.”

E continua: “Mas, dito tudo isso, a resposta ao estilo de Jesus para qualquer questão controversa não se baseia nas falhas dos outros, mas no chamado do Evangelho”.

Segundo Coren, “fomos feitos por Deus para adorar e amar, para celebrar o coração libertado, mas também para apreciar tudo o que nos é dado, e isso certamente inclui arte e literatura. A vocação do cristão não é limitar, mas ampliar nossa visão, não ser reativo, mas proativo. A Igreja tem sido a serva da criatividade, seja na magnificência do Renascimento, na literatura de Dostoiévski e Tolkien, ou até mesmo em ‘A Vida de Brian’, do Monty Python”.

‘É ofensivo’

“Um Jesus com um rosto de desenho animado não é a mesma coisa, não nos faz pensar e é ofensivo em vez de construtivo. Minha resposta, pelo que vale, seria pedir educadamente ao artista ou ao diretor do museu para almoçar ou tomar um café, para explicar o que a fé cristã significa, falar sobre como os crentes em muitas partes do mundo enfrentam perseguição diária, o horror das leis de blasfêmia, e como nos sentimos ao ver algo tão querido para nós ser insultado sem motivo aparente. Pode funcionar, pode não funcionar. Mas então temos que ter fé, não é?”, declara Coren.

Um grupo católico chamado Christian Lives Matter lançou uma campanha e chamou a pintura de “arte chocante e desrespeitosa”.

O fundador da Christian Lives Matter, Chris Bakhos, agradeceu às centenas de apoiadores que “respeitosamente” pediram que o trabalho fosse removido e disse que a imagem era “outra tentativa barata e baixa de zombar do Cristianismo”.

NOTÍCIAS MAIS LIDAS